• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sábado, 12 de agosto de 2017

    #Saudades e Revolta! Assassinato no Lago Sul: criminosos já podem ir para o semiaberto

    No dia 9 de dezembro de 2004, a estudante de pedagogia da UnB Maria Cláudia Del’Isola, de 19 anos, desapareceu quando saía de casa para a faculdade. A família acionou as autoridades que, inicialmente, acreditaram tratar-se de um sequestro. Três dias depois, policiais foram à casa da família, no Lago Sul, para instalar escutas telefônicas e esperar um possível contato dos criminosos. Foi então que um dos agentes sentiu um forte cheiro vindo de um depósito que ficava embaixo da escada.
    Ao abrir a porta, o policial viu um monte de terra fofa e úmida cobrindo um cadáver: era Maria Cláudia. Seu corpo foi encontrado deitado de bruços, com os braços amarrados para trás, sem calcinha e com sinais de violência sexual. A cabeça estava envolta em um saco plástico. Nesse momento, a empregada doméstica Adriana de Jesus dos Santos, 20 anos, estava na cozinha e começou a chorar. Adriana morava com a família Del’Isola há dois anos, junto com o filho de 5 anos e o companheiro, o caseiro Bernardino do Espírito Santo, 30 anos.
    Abordada pelos agentes, a doméstica acusou Bernardino de ser o autor do crime. Naquele momento, o caseiro já havia fugido para a Bahia, onde foi capturado no dia 20 de dezembro, bebendo cerveja em uma praia de Salvador.
    Segundo as investigações, ambos foram cúmplices no crime. Adriana sentia raiva e ciúme de Maria Cláudia, e convenceu e ajudou Bernardino no estupro e assassinato. Os dois foram a júri popular e receberam a sentença de 52 anos de prisão. Descobriu-se, também, que o caseiro havia cometido um estupro e tentativa de homicídio de uma menina de 13 anos apenas alguns meses antes do assassinato no Lago Sul.
    Os dois criminosos continuam presos, mas receberam, no fim do ano passado, o benefício para progressão ao regime semiaberto, pois já cumpriram um sexto da pena e apresentam bom comportamento. A família Del’Isola, no entanto, luta para que isso não aconteça.

    Histórias de Brasília – Jornal de Brasília

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.